09/02/2017

O Fantástico Mundo dos Leitores Digitais

“Ah, mas eu não gosto de ler no celular.”
“Nossa, como você consegue ler nesse tablet? Não cansa a vista?”
“Livro digital? Eca! Prefiro livro impresso. Amo cheirinho de livro novo!”
Artigo escrito pelo colaborador Thiago  Oliveira


Se você se identificou com qualquer uma dessas frases, então senta aí e lê com atenção, porque esse artigo é pra você! Você que é um leitor voraz do distrito 12 com certeza já passou por uma dessas situações:
  1. Estava lendo de boas no seu quarto, a noite, e sua mãe chega mandando você desligar a luz a ir dormir;
  2. Levou o livro novo na mochila e quase teve um infarto quando viu ele todo amassado depois;
  3. Saiu em uma viagem de férias e ficou sem nada pra ler;
  4. Comprou um livro pela Internet e quase morreu de aflição esperando a transportadora entregar.
E se eu te disser que existe uma solução simples e relativamente barata para todos esses problemas? Ah, você ficou interessado, né? Então continua a leitura que eu vou te contar tudo o que você precisa saber.


Com certeza você já deve ter ouvido falar de ebooks, que nada mais são do que livros digitais. Eles ficam disponíveis em diversos formatos (PDF, ePUB, Mobi, etc.), e você pode ler facilmente usando o celular, o computador ou, por que não, um ereader, isto é, um leitor eletrônico de livros digitais.

Os ereaders são dispositivos desenvolvidos especialmente para a leitura. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, eles não são tablets. Apesar de a grande maioria dos leitores digitais virem equipados com acesso WiFi, o foco dessa função não é a navegação na Internet, mas sim facilitar a compra de livros digitais das mais diversas plataformas virtuais.

“Ah, mas então pra que serve esse tablet se não dá pra acessar o ‘feice’?

Lembra daquelas situações que eu comentei alguns parágrafos atrás? Pois é. Os dispositivos de leitura digital são excelentes aliados nessas horas. Um ereader tem a capacidade de armazenar cerca de 2.000 (DOIS FCKNG* MIL) livros em sua memória interna, isso sem falar que alguns deles possuem slot para cartão de memória, o que pode dobrar ou triplicar sua capacidade de armazenamento.

E diferente de um celular ou tablet, os ereaders possuem bateria de looooooooooooooooooonga duração. Isso porque eles vêm equipados com uma tecnologia chamada e-ink, ou tinta eletrônica, que simula uma folha de papel. Literalmente, a tinta desenha a página do livro na tela que, por sua vez, é anti-reflexiva. Ou seja, a experiência é quase a mesma de ler em um livro impresso, só que melhor!


Atualmente, no mercado brasileiro, entre os dispositivos de leitura digital mais vendidos, três marcas se destacam: o LEV (o ereader oficial da Livraria Saraiva), o Kobo (o ereader da Livraria Cultura) e o Kindle (amorzinho da minha vida, o ereader oficial da companhia global Amazon).

Cada um deles possui funções e características muito parecidas entre si, e outras um pouco mais específicas de cada um. BUT KEEP CALM & CONTINUA A LEITURA que a gente vai te ajudar a escolher o que melhor combina com você!


KINDLE


O mais popular dentre os ereaders disponíveis no mercado, o Kindle já está atualmente em sua 8ª geração de produção, e atende aos mais diversos públicos em seus mais variados preços. O modelo mais vendido é, sem dúvida, o Kindle Paperwhite, que conta com uma tecnologia de retro-iluminação, isto é, a tela se acende para que você possa ler, e ainda é possível regular a intensidade da luz. Além disso, a tela conta com uma densidade de 300ppi (uma das mais nítidas do mercado), tornando a experiência de leitura digital tão real quanto ler um livro impresso.

Quando você adquire um dispositivo Kindle, a Amazon automaticamente cria para você uma conta com acesso a uma nuvem particular de armazenamento, que fica diretamente contectada ao seu Kindle. Todos os livros que você adquire junto à loja Amazon ficam salvos nessa nuvem, e ainda é possível enviar livros para o Kindle através dela. A Amazon também possui o maior acervo de livros digitais do mundo, e o mais barato também.


Além disso, a Amazon lançou recentemente o KINDLE UNLIMITED, que é tipo um Netflix dos livros. Você paga um valor mensal e pode “pegar emprestado” até 10 ebooks (de cada vez) em um vasto acervo disponível no site da loja. Não são todos os livros, é claro, mas ainda assim dá pra encontrar muita coisa bacana, dos clássicos da literatura e até young adults. Isso sem falar dos livros que, diariamente, aparecem de graça no site da Amazon.

KOBO


Produzido por uma companhia canadense, os dispotivos Kobo começaram a ser comercializados aqui no Brasil pela Livraria Cultura. Foram os primeiros dispositivos de leitura digital, em solo brasileiro, a contar com tecnologia touchscreen e tela de retro-iluminação. A Kobo também foi a primeira companhia a comercializar um leitor digital completamente à prova d’água, o Kobo Aura H20.

Contudo, apesar de o atendimento da Livraria Cultura ser excelente, o mesmo não pode ser dito da companhia canadense responsável pela fabricação do ereader. Muitos dispositivos Kobo começaram a apresentar problemas, razão pela qual a companhia decidiu fechar suas portas ao mercado brasileiro. Atualmente, só é possível adquirir um Kobo nas lojas físicas da Livraria Cultura, ou importado.


Uma coisa bacana do Kobo é o exclusivo espaço READING LIFE, que nada mais é do que uma time line do dispositivo que interage com as suas leituras. Basicamente, ele calcula sua velocidade de leitura, estabelece um paginômetro, e vai te dando “prêmios”, isto é, ícones de parabenização de acordo com seus hábitos de leitura. 

LEV


O mais recente a chegar no mercado brasileiro, o LEV é o leitor digital oficial da Livraria Saraiva, e o menos popular também. Disponível, em duas versões, com e sem a retro-iluminação, o LEV possui uma tela touchscreen multi-capacitiva com 213ppi de densidade (maior do que o Kindle de 8ª geração, o modelo mais simples da Amazon).

Além disso, o LEV possui uma tecnologia exclusiva chamada REFLOW, que realiza uma melhor adaptação dos arquivos PDF à tela (tarefa na qual seus dois outros concorrentes ainda falham). Contudo, o sistema do LEV é um pouco lento e um tanto quanto complexo de operar, principalmente se comparado ao outros dois concorrentes nessa mesma categoria.


O LEV comporta cerca de 4 mil livros em sua memória interna, pesando apenas 190g. E ainda possui espaço para cartão de memória. É o mais indicado para quem lida muito com textos de faculdade, justamente por conta da tecnologia reflow.

----

Como eu expliquei antes, todos os ereaders contam com a tecnologia e-ink, que simula uma folha de papel. Por essa razão, o dispositivo só “gasta” bateria quando você vira a página ou quando utiliza a retro-iluminação durante a leitura. Assim, a bateria do bichinho acaba durando semanas, sendo necessário recarregar cerca de uma vez por mês (exceto o Kindle Oasis, cuja bateria dura, literalmente, meses).


Outra coisa que os leitores digitais têm em comum são os dicionários, muito úteis para quem gosta de ler em Inglês ou outros idiomas. Basicamente, basta tocar e pressionar a palavra desejada por alguns segundos e, pronto, o significado dela aparece na tela pra você. É possível grifar e destacar trechos da leitura, e até adicionar comentários pessoais, que ficam salvos no dispositivo. Também dá pra ajustar o tamanho e o tipo de fonte, a margem de espaçamento do ebook, tudo para deixar a leitura ainda mais confortável.

Além disso, tanto o Kindle quando o LEV e o Kobo possuem aplicativos disponíveis para Android e iOS. Se você esquecer o ereader em casa, ou preferir continuar a leitura no tablet, celular, ou computador, basta usar o aplicativo e ele sincroniza a leitura pra você. Ou seja, quando você voltar ao seu ereader, ele automaticamente vai avançar para o ponto da leitura em que você está. E eu nem mencionei que dá pra organizar seus livros digitais em categorias, como se fossem prateleiras no dispositivo.


Calma. Assim como qualquer dispositivo, os ereaders também possuem suas desvantagens.

Por se tratar de uma tecnologia que lida com tinta eletrônica, os leitores digitais de um modo geral lidam de forma ruim com imagens. Além dos engasgos com arquivos PDF, o fato de a tela ser em preto e branco quebra um pouco da experiência de ler quadrinhos e revistas, por exemplo. E se o livro possui muitas notas de rodapé, um mapa situando a história ou qualquer outro material que precisa ser consultado com frequência durante a leitura, a lentidão que o ereader pode eventualmente apresentar em atender essa demanda vai te deixar um pouquinho preguiçoso.


Outro fator que problematiza os ereaders é, sem dúvida, a questão da segurança. Infelizmente, um “tablet” chama muito mais a atenção em público do que um livro impresso. Então basicamente, quem gosta de ler no ônibus, no trêm ou no metrô tem que ficar com um olho na tela e o outro na missa. 


“Ai, tá vendo? É por isso que ler num livro impresso é melhor, e mimimi...”

Eu, particularmente, acredito que NÃO existe concorrência entre os dois públicos. A experiência de ler num dispositivo digital tem suas vantagens, assim como ler um livro impresso. Eu adoro o cheiro de livro novo, e sou apaixonado por aquelas edições ilustradas e comentadas dos clássicos, com capa dura. É lindo de se ver, e mais ainda de se ter na estante. Contudo, os ereaders trazem uma praticidade maravilhosa à vida dos leitores, permitindo transportar um grande acervo com facilidade. Fora que é maravilhoso você comprar um livro digital e não ter que esperar uma semana (ou alguns meses) pra ler, porque ele vai estar disponível na sua tela alguns segundos após a compra.


É claro que, se comparado aos preços dos livros impressos, os ebooks ainda possuem preços pouco acessíveis, mas existem muitos títulos que já são de domínio público, e quase todos os dias as grandes lojas disponibilizam ebooks gratuitos ou com preços promocionais. No fim das contas, quem ganha com isso tudo somos nós, leitores!

E você? Já conhecia os ereaders? Conta pra gente aí nos comentários qual o seu preferido! E se você ficou com alguma dúvida, é só perguntar que a gente te ajuda.

Grande abraço, e boas leituras! 

Thiago Oliveira é apaixonado por livros e blockbusters, gosta de escrever, redublar animações da Disney e visitar Hogwarts. Siga-me nas redes sociais: @thiioliv3ira.
 

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Yeeeeey! Primeiro texto aqui no Memórias Literárias! Obrigado pela oportunidade, Aline! Beijão e parabéns pelo blog! <3

    ResponderExcluir
  2. Caramba!
    Acho que esse é o artigo mais completo sobre ereaders!
    E olha que você nem puxou tanta sardinha para o nosso AMOR SUPREMO E INSUPERÁVEL Kindle...

    Belo artigo Thi...
    Agora só continuar a missão de: olá! Você teria um instante pra ouvir a palavra do Kindle?!

    ResponderExcluir
  3. Eu nunca li um artigo sobre Kindle tão divertido. Adorei!
    Se eu não tivesse um Kindle, pode ter certeza que depois de ler isso daqui eu, com certeza, compraria um.

    Parabéns pela matéria!
    Cris
    Plataforma 9¾

    ResponderExcluir
  4. Confesso que conheci o Kindle quando te vi no meu primeiro clube do livro, haha. Depois a Mari me convenceu a comprar um, e garanto que não me arrependo! Sempre fui uma pessoa que tinha um certo pré-conceito com e-books, e olha... depois que adquiri o meu kindle, posso dizer com todas as letras que foi uma das melhores compras da minha vida <3

    Adorei o artigo, Thi! Parabéns ^^

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© MEMÓRIAS LITERÁRIAS - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: SD DESIGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo