31/01/2017

Resenha | Sem Olhar Para Trás

Sem Olhar Para Trás
  • Autor: Lycia Barros
  • Editora: Valentina
  • Páginas: 256
O novo romance da escritora Lycia Barros narra um drama super comum da sociedade ao longo dos séculos. Um mal que acomete, principalmente, as mulheres. Afinal, quando coagidas, agimos de forma equivocada e facilmente somos influenciadas por nossos medos. No entanto, muitas vezes o sofrimento é o melhor remédio para acordar o espírito. E sempre há tempo para refazermos a nossa trajetória, onde algo surpreendente pode estar nos esperando no fim da linha. Esse é o foco da história de Agatha: é preciso força para recomeçar. As cicatrizes ficam, mas a força de reação é maior.

Resenha feita pela colaboradora Laiara Dias

Agatha tem uma oportunidade de mudança de vida quando descobre que é a única herdeira de uma tia distante, e que esta lhe deixou um pequeno sítio em uma cidadezinha no interior de Minas Gerais. Cansada das agressões que sofre de Bruno, seu marido, ela junta tudo o que pode e leva seu filho Gabriel pra se refugiar no único lugar que parece ser abrigo pra tentar recomeçar do zero, longe de tudo que deixou para trás.


Chegando nesse lugar pacato, toda desconfiada, ela tem que aprender a viver de uma nova maneira, uma vida mais simples, longe de todos os luxos que tinha no Rio, mas ainda assim com a paz de não ter que suportar mais apanhar e ser controlada pelo marido. Aos poucos Ágatha vai pegando confiança em seus novos vizinhos e amigos e assim reconstruindo sua vida tentando esquecer ou pelo menos superar tudo que ela e o filho passaram nas mãos do pai do garoto.

Se você está pensando em algum clichê nesse momento onde pode dar essa história, saiba que acertou! Seja lá qual for o clichê que você imagine, você deve encontrá-lo total ou parcialmente aqui. Tudo bem, como sabem, eu até gosto de clichês, e o meu “problema” com esse livro não foi nem de longe esse.

A história é super legal, os personagens também! São personagens críveis, que têm seus defeitos, qualidades e não são caricatos, foram bem construídos até. O que deixou a desejar pra mim foram mesmo os pormenores… O livro tem 246 páginas, mas a história tem peso suficiente pra preencher quase o dobro disso.

Estamos falando de uma mulher que sofreu em um relacionamento abusivo por anos a fio, que foi rejeitada pela própria família por causa das decisões que tomou e que carrega uma quantidade enorme de culpa, insegurança e medo consigo. Então ela foge pra reconstruir a vida e claro, vai descobrir uma outra pessoa que mostre que nem todo relacionamento é o retrato do inferno… Só que nós leitores temos apenas um ligeiro vislumbre de tudo que ela passou, e isso torna difícil a tarefa de nos conectar com a dor da personagem, sabe…

Em alguns momentos a autora coloca relatos de episódios do passado, mas passam muito rapidamente. Talvez se no meio da narrativa presente houvessem alguns flashbacks para mostrar e não apenas nos contar o que ela passou, aí sim tivéssemos uma ideia melhor de todo o contexto emocional da protagonista.

De uma maneira geral é um livro bom, mas a história tinha potencial para ser um livro sensacional, e acho que grande parte da minha decepção se deveu a isso, pois vi que poderia ter sido muitíssimo melhor em vários aspectos. No fim, pra mim foi um livro três estrelas, e me entendam bem, é um livro bom, mas devido à minha bagagem anterior de histórias, não teve nada de surpreendente.


Sou baiana, criada no Mato Grosso, casada com um mineiro e cai de páraquedas nas terras capixabas. Viciada em Youtube e Netflix, chocólatra assumida, devoradora de chick-lits. Amo um bom romance açucarado e não resisto a um toque de pimenta na literatura, nem a uma colher de farinha no prato. Choro a toa, rio alto, e não consigo decidir entre ser ogra ou princesa! Muito prazer, essa sou eu!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© MEMÓRIAS LITERÁRIAS - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: SD DESIGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo