02/08/2016

Resenha | A Rebelde do Deserto

A Rebelde do Deserto
  • Autor: Alwyn Hamilton
  • Editora: Seguinte
  • Páginas: 288
O deserto de Miraji é governado por mortais, mas criaturas míticas rondam as áreas mais selvagens e remotas, e há boatos de que, em algum lugar, os djinnis ainda praticam magia. De toda maneira, para os humanos o deserto é um lugar impiedoso, principalmente se você é pobre, órfão ou mulher. Amani Al’Hiza é as três coisas. Apesar de ser uma atiradora talentosa, dona de uma mira perfeita, ela não consegue escapar da Vila da Poeira, uma cidadezinha isolada que lhe oferece como futuro um casamento forçado e a vida submissa que virá depois dele. Para Amani, ir embora dali é mais do que um desejo — é uma necessidade. Mas ela nunca imaginou que fugiria galopando num cavalo mágico com o exército do sultão na sua cola, nem que um forasteiro misterioso seria responsável por lhe revelar o deserto que ela achava que conhecia e uma força que ela nem imaginava possuir.

Ei gente! Quem não gosta de boas surpresas literárias? A Rebelde do Deserto já causa um impacto muito bom por conta dessa capa linda. E a proposta narrativa da Alwyn Hamilton me deixou ainda mais feliz. Já disse que estou na vibe protagonistas femininas fortes e aqui não foi diferente. Com um livro curto, ela soube trazer o necessário para a história e trás um gosto de quero mais ao leitor.


Amani vive com seus tios e primos em meio a uma pequena cidade - Vila da Poeira - no deserto. Mas não só os humanos habitam por ali, mas também seres místicos e mágicos que causam estranheza e medo. Amani é uma ótima atiradora e seu maior desejo é sair de onde mora para a grande capital, fugindo assim de um casamento forçado. Só que ela não esperava se juntar - no meio de seu percurso - a um forasteiro que lhe traria mais problemas e dúvidas que soluções.

A mitologia criada pela autora é fácil de ser entendida, mas demora algumas páginas para compreendermos e nos acostumarmos - principalmente por conta dos nomes. Achei extremamente interessante a inserção de detalhes da cultura asiática pelos lados do Oriente Médio. As visões dos ambientes e cenários me remetiam muito a todas as paisagens que eu vi em fotos e filmes. Creio que não li nenhum livro dentro dessa cultura e acho que mais autores deveriam investir.

Em relação aos elementos fantásticos, eles possuem referências a vários outros conhecidos. Apesar disso, dá para notar um certo toque particular da autora. A inserção de cavalos mágicos, elementos noturnos maléficos e o próprio poder em seres humanos fazem a mistura dar certo. A escrita dela é leve e muito dinâmica de ser lida, apesar de ter muito mais descrição do que diálogos.

Gostei muito de todos os personagens centrais. Amani é tão forte e decidida quanto eu esperava. Sempre soube o que queria e foi atrás, independente do que impuseram a ela. Sem figura materna ou paterna, ela cresceu rodeada por tudo que não acreditava. Uma vida difícil, mas que não foi impedimento para ela. Em contrapartida, Jin é tão misterioso quanto uma passagem para a vida que Amani deseja. Acabamos descobrindo mais sobre ele junto com a protagonista e são grandes surpresas.

Fiz algumas ligações com o que li e acertei; outras eu não imaginava que iriam acontecer. E isso tudo junto me fez gostar muito do trabalho de início da Alwyn Hamilton. Estou bem empolgada para saber o que acontece nos outros volumes da série e acho que ela conseguiu conquistar muitos leitores por aqui. Espero não me decepcionar.


Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Estou animada com esse livro, ainda mais por ter essa cultura por trás da história. O que achei muito bom é que no livro ela parece explicar muito de detalhes do ambiente e dá até pra se sentir vendo tudo, de tão bem feito. É muito bom quando fazem isso. E a personagem é toda cheia de atitude e personalidade forte, só fica ainda melhor de ler. Ahh, espero não me decepcionar com esses próximos volumes e que lancem logo!

    ResponderExcluir
  2. Fiquei meio perdido na resenha com relação em que época se passa a historia.
    Devo gostar da historia se levar aquele tom parecido com Alladin.

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    A maioria das resenha que li sobre A Rebelde do Deserto foram boas.
    Quero muito ler esse livros, a história parece diferente por conter elementos da cultura árabe, como você escreveu não tem muitos livros que tratem dessa temática.
    A protagonista também pareceu ser uma ótima personagem.
    Já vi o livro na livraria e essa capa é linda!

    ResponderExcluir
  4. Esse livro está entre os desejados. A capa já chama a atenção e adoro histórias em que a personagem feminina é forte e decidida. Com a história se passando no Oriente Médio é mais um atrativo.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© MEMÓRIAS LITERÁRIAS - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: SD DESIGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo