18/08/2016

Precisamos conversar sobre | Stranger Things


A poeira - aparentemente - abaixou um pouco no que diz respeito a mais nova aposta e - grande sucesso - da Netflix: Stranger Things. Logo quando o seriado foi liberado pela empresa, fiquei com o pé atrás. Na verdade, eu desconfio de tudo que tem um hipe muito grande em cima. Minhas expectativas começam a crescer e não é raro eu me decepcionar. Feio. Logo no primeiro final de semana após a liberação dos episódios, muita gente ao meu redor tinha visto. E elogiado ao máximo. Então, confiando na opinião dessas pessoas - uma vez que ela possuem um gosto muito parecido com o meu para seriados - resolvi embarcar e conhecer o que tanto esse seriado mostrava. E fui mais uma das fisgadas completamente. Mais uma daquelas que faz todo mundo ao redor assistir o seriado, porque é maravilhoso.

Acho que a maioria de vocês já deve saber do que se trata o seriado. Ele se passa nos anos 80 e conta a história de quatro amigos unidos pela paixão de RPG, quadrinhos, Star Wars e tudo o que a época oferecia ao público nerd. Até que um dos amigos - Will - some misteriosamente. E os outros três resolvem procurá-lo - além das autoridades locais, é claro. Paralelo a isso, temos a inserção de um projeto secreto do governo - que está diretamente ligado ao desaparecimento do menino - o que leva a aparição de Eleven, uma garota misteriosa com poderes estranhos. 

Já pode imaginar. Todos os clichês estão reunidos ali. Mas a grande sacada de Stranger Things não é isso, obviamente. E sim em como seu elenco é responsável pelo grande sucesso. Todos, desde o elenco adulto até o infantil fazem com que o seriado seja tudo isso e mais um pouco. Preciso chamar atenção para as crianças aqui: o trabalho delas é impecável, especialmente da atriz que faz Eleven e do ator que faz o Dustin. Viraram meus amorzinhos eternos!


Nem preciso ressaltar a nostalgia e as referências em peso aos anos 80 que Stranger Things faz. Temos filmes do Spielberg, histórias do King, universos fantásticos como o de Star Wars e de DeD e até mesmo bandas do cenário da época. Mesmo eu sendo nascida no início dos anos 90, me senti tão presenteada com o que assisti, que foi fantástico. Até porque muito de tudo isso foi apresentado na minha infância, principalmente pelo meu pai. Para quem tem curiosidade, existem diversos sites que já fizeram o compilado de referências que encontramos no seriado.


Definitivamente, Stranger Things entrou para meu Top 10 de seriados da vida. Virei fã, maratonei tudo no mesmo dia e agora estou órfã. Está sendo difícil pegar qualquer seriado agora para assistir ou botar em dia - e olha que tenho muitos - porque depois que assisti ST nada me pareceu bom o suficiente. Exagero? Pode ser, mas não consegui escapar disso. Agora, a Netflix nos disse que só em 2017 teremos mais a respeito de Hawkins, Indiana. Minhas perguntas continuam fervilhando na cabeça. E eu só queria que tivessem mais alguns episódios. 

Se me deixarem, postarei gifs para sempre. Me. Segurem.

Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Eu gostei da série, as referencias são legais e tal mais ainda não vejo sentido em todo hipe que foi criado.

    ResponderExcluir
  2. Há! Parece que todo mundo que conheço e não conheço tá assistindo. Vou tentar ver, mas nem sei quando vai dar. Parece que é legal se tem tanta gente amando assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cristiane, pega um sábado ou um domingo que dá pra ver tranquilo. Gostei muito da série, muito mesmo, mas não achei maravilhosa! Talvez estava com a espectativa lá no alto! Teve momentos que fiquei com raiva do Lucas. Oh, muleque chato!!! Kkkk

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© MEMÓRIAS LITERÁRIAS - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: SD DESIGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo