04/08/2015

Resenha | Para todos os garotos que já amei

Para todos os garotos que já amei
  • Autor: Jenny Han
  • Editora: Intrínseca
  • Páginas: 320
Lara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa azul-petróleo que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu. Uma para cada garoto que amou — cinco ao todo. São cartas sinceras, sem joguinhos nem fingimentos, repletas de coisas que Lara Jean não diria a ninguém, confissões de seus sentimentos mais profundos. Até que um dia essas cartas secretas são misteriosamente enviadas aos destinatários, e de uma hora para outra a vida amorosa de Lara Jean sai do papel e se transforma em algo que ela não pode mais controlar.

Oi gente! Assim que vi a capa do novo livro da Jenny Han - autora que sempre tive curiosidade em ler, mas que ainda não tinha tido oportunidade - logo quis lê-lo, ainda mais por se tratar de um possível livro em que havia o envolvimento de cartas. Eu particularmente adoro cartas - na vida real e nos livros - e são com elas na maioria das vezes que me encontro e acho a melhor parte da leitura. Infelizmente, acabei me surpreendendo de uma forma não tão bacana como eu queria em Para todos os garotos que já amei da Editora Intrínseca.


Lara Jean é uma jovem que escreve cartas de amor aos garotos por quem já se apaixonou, mas que nunca as enviou. Ela as mantem em uma caixa que sua falecida mãe a deu e assim elas ficam seguras e longe de seus destinos. Apesar disso, de uma hora para outra todas as cartas acabam chegando aos seus destinatários, o que faz com que a vida da Lara fica ainda mais estremecida, além da ida de sua irmã mais velha para outro país e sua nova responsabilidade dentro de casa.  

Logo quando iniciei a leitura do livro pude notar o quão adolescente a história se tratava. É claro que eu já tinha subentendido isso, por conta das idades dos personagens e da própria premissa. Talvez, por conta da minha idade, eu já não esteja apreciando tando leituras do gênero como já fiz um dia. E por esse motivo, Lara Jean não foi uma protagonista que me convenceu muito. Ela tem todos os elementos de uma jovem em sua faixa etária, com problemas até maiores do que outras possam ter. E de repente, tudo cai em suas mãos. A responsabilidade de ser a mulher mais velha da casa e que sua vida social/amorosa explode de uma hora para outra. 

Esperei uma reação um pouco mais madura em alguns momentos de todos os envolvidos no enredo. O livro todo é narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Lara e não temos tanta clareza a respeito das outras pessoas. Uma personagem que eu gostei muito foi a irmã mais nova da protagonista, Kitty. Ela trás alívios cômicos e em certas cenas trata assuntos até com mais maturidade que as próprias irmãs mas velhas. 

A leitura começou a engrenar mesmo para mim depois das 200 páginas. A narrativa da Jenny Han é extremamente fácil de ser lida e não se precisa pensar muito. Leve e divertida, faz com que a leitura renda em poucos minutos. Ponto positivo também pela construção dos capítulos, que são pequenos e trazem dinâmica a trama. 

Como disse ao início, uma coisa me desencorajou muito foram as cartas. Eu imaginei uma proposta completamente diferente daquela que me foi apresentada. Isso provavelmente não vai encomodar muitas pessoas, mas digo como leitora que aprecia esse recurso nos livros que queria que eles tivessem mais destaque - até mesmo por serem a causa central de todo o conflito do livro. São poucas cartas - 5 ao total - e com poucas linhas. E nem todas foram apresentadas - creio eu que isso será feito no outro volume. Imaginava que por se tratarem de cartas para si própria, a protagonista se aprofundaria mais. 

E sim, um novo volume existe para complementar o enredo do primeiro. Eu sinceramente achei que ele seria volume único, mas não foi isso que a autora fez. Muitos pontos foram deixados em aberto para que ela pudesse construir uma nova história e desse finalização aos conflitos envolvendo Lara Jean. Apesar dos pesares, quero muito conferir o que ela trará para o desfecho e, como um todo, achei bem proveitoso o primeiro contato com seu trabalho. Indico a leitura a leitores com a faixa etária e com os conflitos semelhantes. E para aqueles que curtem o gênero e querem um livro sem pretenções para se entreter.

Comente com o Facebook:

6 comentários:

  1. Oi Aline!
    Muito importante isso que vc falou sobre como as cartas realmente se apresentam no livro, foi a primeira q vi falando sobre isso!
    Eu quero muito ler esse livro, engraçado é que ainda n tinha percebido esse tom adolescente q vc falou, mas acho que vou gostar bastante da leitura ;)
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Aline!
    Eu só estava vendo pessoas super elogiarem o livro, ai comecei a ver pessoas que falaram o que você disse sobre a maturidade.
    Que achou o livro muito adolescente e que esperava mais.
    Mas acho que isto não vai me influenciar, pelo menos eu espero que não, porque eu não costumo ter muita paciência com personagens imaturas.
    Beijos!!!
    umlugarparaleresonhar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Aline!
    Eu gosto muito de livros juvenis e li esse antes mesmo de ele vir para o Brasil. Também esperava algo diferente das cartas, mas não posso dizer que me decepcionei com a história, achei bem leve e fofa. Concordo que a autora poderia ter resolvido tudo em um só livro...
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Comecei a ler esse livro ontem e estou amando, por ter personagens cativantes e um enredo leve. Mas poxa! Não sabia que teria a continuação, comecei ciente de que era volume único =/ Apesar deste detalhe, vou continuar a leitura.
    Bjs Aline!!

    ResponderExcluir
  5. Aline!
    Difícil quando uma leitura começa a engrenar depois de centenas de página, sá a impressão que estamos lendo só para constar.
    Gosto quando o autor usa, cartas, diários, etc... no enredo e que pena que fora poucas, quem sabe no próximo?
    Uma semaninha mais que abençoada!
    “Esquecer é uma necessidade. A vida é uma lousa, em que o destino, para escrever um novo caso, precisa de apagar o caso escrito.”(Machado de Assis)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Aline. Gosto bastante de leitura que envolve personagens ou a escrita adolescente. Fico triste em saber que você não surpreendeu-se o bastante com o livro, mas ainda continuo firme na decisão de ler e gostar da trama teen com Lara Jean. Também achava que seria um livro único.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© MEMÓRIAS LITERÁRIAS - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: SD DESIGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo