25/07/2015

Resenha | Jonathan Strange e Mr. Norrell

Jonathan Strange e Mr. Norrell
  • Autor: Susanna Clarke
  • Editora: Seguinte
  • Páginas: 824

Em 1806, a maioria da população britânica acreditava que a magia estava perdida há muito tempo - até que o sábio Mr. Norrell revela seus poderes, tornando-se célebre e influente. Ele abandona a reclusão e parte para Londres, onde colabora com o governo no combate a Napoleão Bonaparte e coloca em prática seu plano de controlar todo o conhecimento mágico do país. Tudo corre bem até que Jonathan Strange, um jovem nobre e impetuoso, descobre que também possui talentos mágicos. Ele é recebido por Norrell como seu discípulo, mas logo os dois começam a se desentender… e essa rixa pode colocar em risco toda a Inglaterra. Misturando ficção e fatos históricos, Jonathan Strange e Mr. Norrell levou dez anos para ser escrito e foi baseado em uma extensa pesquisa da autora sobre a história da magia inglesa.

Resenha feita pela colaboradora Gabriela Eler

Quando Neil Gaiman recomenda um livro, é praticamente impossível ele ser ruim. Foi através da introdução de Gaiman que me senti curiosa em relação a esse livro, que já adianto ser maravilhoso. Susanna Clarke é dona de uma escrita impecável, que nos transporta ao ano de 1806, em uma sociedade bem diferente da nossa.



Já faz duzentos anos que a magia não é praticada, mas isso não quer dizer que não existam magos por aí. Em York existe a Sociedade de Magos, em que uma vez ao mês se reúnem para discutir os livros e textos estudados. Sim, eles são magos teóricos. São bem apessoados, estudados e possuem certa “nobreza” em serem magos. Até que entra um novo integrante nessa sociedade, o Jonathan Segundus, que vem com uma pergunta muito simples e ao mesmo tempo tão complicada de ser respondida: porque não se pratica mais magia na Inglaterra? A partir desse simples questionamento conhecemos Mr Norrel, um mago que vive um pouco distante de York e que não participa da sociedade. Mas que é muito invejado pela sua excelente biblioteca com livros raros sobre magia. Jonathan Segundos e um outro mago, o Mr. Honeyfoot visitam Norrell com o intuito de tentar responder essa questão.

“A primeira coisa que um estudante de magia aprende é que existem livros sobre magia e livros de magia.” (P. 25)

A partir dessa visita descobrem que Mr. Norrell é praticante de magia e a Sociedade de York fica apreensiva com isso. Até que pedem para Norrell demonstrar que é um mago praticante. Só que Mr. Norrell é mais esperto do que pensamos e ele cria um acordo com os integrantes da sociedade. Caso Norrell obtenha êxito em praticar a magia perante a eles, a Sociedade de Magos deverá ser desfeita, pois será comprova que Norrell é o único mago existente. A partir disso, Norrell se torna de fato o único mago e parte para Inglaterra junto com seu procurador Childermass, com o intuito de restaurar a magia.O livro é bem intenso e em cada parte você conhece um pouco sobre os personagens principais. 

A primeira parte é destinada a Mr. Norrell, onde conhecemos (e odiamos) um pouco mais sobre ele e como ele vai tentando restituir a magia e principalmente contribuir para a guerra. No início nada é fácil e muitos desacreditam dele, até que ele faz uma magia (que não vou contar) e sua fama sobe. Após isso o governo começa a procurá-lo para auxiliar na guerra e todos os têm com muita estima. Lógico que nada é perfeito e essa magia vem com um preço, e esse preço é um cavalheiro com cabeça de algodão que se fará presente durante toda a história. 

A segunda parte é destinada a Jonathan Strange. É o segundo mago da história e se torna discípulo de Norrell. É um dos personagens que mais gostei, principalmente do quanto ele muda de acordo que a história evolui. Norrell e Strange são completamente opostos e é muito engraçado ver essa rixa entre eles. A última parte é destinada ao John Uskglass, mais conhecido como Rei Corvo. É o personagem mais misterioso de toda a história, e o que mais me deu curiosidade de conhecer. Principalmente sobre sua profecia, que é discutida durante boa parte do livro.

“A chuva fez para mim uma porta e por ela passei;
As pedras fizeram para mim um trono e nele sentei;
Três reinos me foram dados para serem meus para sempre;
A Inglaterra me foi dada para ser minha para sempre.
O escravo sem nome tinha uma coroa de prata;
O escravo sem nome era um rei num país estranho...” (Parte da profecia, p. 137)

O livro tem uma narrativa própria, que tem seu tempo para ser lido. Não tem muita ação, então se você espera por isso com certeza vai se desanimar com o enredo. Mas de longe é uma história cansativa. Clarke escreve tão bem que você se sente preso à história, principalmente com as notas de rodapé, que vão ajudando a entender sobre o que os personagens falam.

Foi uma leitura maravilhosa para mim, e recomendo muito. É uma história sobre magia bem diferente das que conheço e amei me aventurar pelas 824 páginas. Espero que tenham gostado, um beijo e até a próxima. 


Gabriela, ou simplesmente Gabis. Germiniana, 22 anos, capixaba. Viciada em livros, séries, músicas e maratonas literárias. Apaixonada por azul, roxo e inverno. Cursando Pedagogia e se tudo der certo, futuramente Psicologia. Uma garota um pouco estressada que morre de medo do futuro.


Comente com o Facebook:

6 comentários:

  1. É engraçado como alguns autores consegue mesmo com um enredo mais parado, ainda sim prender o leitor. Achei interessante e vou dar uma olhada.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  2. Oi!

    Está aqui na minha estante e na fila de leitura, animei-me a ler após a sua resenha, agora ele tem que esperar a vez dele chegar hehehe

    Bjs

    http://www.viajenaleitura.com.br/

    ResponderExcluir
  3. 824 páginas??? Uau!! Mas não tem coisa melhor do que ler um livro e nem ver suas paginas passarem, eu amo isso, independente da quantidade de folhas, o que importa é se envolver profundamente nesse novo mundo! Fantasia é um dos meus gêneros favorito e já estou amando antes mesmo de ler. Deve ser incrível!!
    Procurarei por este livro com certeza!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Livro grosso é livro que merece ser livro, a autora levou todo esse tempo para que com muito cuidado o livro fosse uma fonte de informação e todas as bases dela que foram usadas foram bastante trabalhadas, ela não escreveu apenas por escrever, ela " estudou " para depois escrever, acho que vale a leitura pelo esforço que ela fez. Agora, o livro, o enredo/história parecem ser bons, e por incrível que pareça também parece ser do tipo que nos prende. Para quem gosta de livros com magia não será tão cansativo. Ótima resenha, o livro parece ser muiiito bom e me animei bastante para ler rs - Um super beijo

    http://ddreamsoficial.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Livro grosso é livro que merece ser livro, a autora levou todo esse tempo para que com muito cuidado o livro fosse uma fonte de informação e todas as bases dela que foram usadas foram bastante trabalhadas, ela não escreveu apenas por escrever, ela " estudou " para depois escrever, acho que vale a leitura pelo esforço que ela fez. Agora, o livro, o enredo/história parecem ser bons, e por incrível que pareça também parece ser do tipo que nos prende. Para quem gosta de livros com magia não será tão cansativo. Ótima resenha, o livro parece ser muiiito bom e me animei bastante para ler rs - Um super beijo

    http://ddreamsoficial.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© MEMÓRIAS LITERÁRIAS - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: SD DESIGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo