27/04/2015

Resenha | A Mais Pura Verdade


A Mais Pura Verdade
  • Autor: Dan Gemeinhart
  • Editora: Novo Conceito
  • Páginas: 224
Em todos os sentidos que interessam, Mark é uma criança normal. Ele tem um cachorro chamado Beau e uma grande amiga, Jessie. Ele gosta de fotografar e de escrever haicais em seu caderno. Seu sonho é um dia escalar uma montanha. Mas, em certo sentido um sentido muito importante , Mark não tem nada a ver com as outras crianças. Mark está doente. O tipo de doença que tem a ver com hospital. Tratamento. O tipo de doença da qual algumas pessoas nunca melhoram. Então, Mark foge. Ele sai de casa com sua máquina fotográfica, seu caderno, seu cachorro e um plano. Um plano para alcançar o topo do Monte Rainier. Nem que seja a última coisa que ele faça.

Resenha por Marcus Vinícius

Ao se ler a sinopse, ficamos com a impressão de estar diante de "mais uma" história sobre jornadas. Como nos filmes "Na Natureza Selvagem" (Into The Wild) e "Livre" (Wild), onde o protagonista deixa tudo para trás e parte em busca de alguma missão de autodescoberta. Porém uma grande ofensa a esta historia é chama-la de "mais uma". Começamos com Mark, nosso protagonista, o acompanhando em seu plano de fugir de casa e partir rumo a escalada do Mont Rainer. Ele parece ter pensado detalhadamente em cada ponto do seu objetivo, assim como deixar falsos rastros caso alguém tente achá-lo. Como era de se esperar, nem tudo sai como o previsto e muitas situações (boas porém muitas das vezes bem desagradaveis) são enfrentadas no caminho. 


"Sozinho, estou deixando meu lar
Uma nova jornada. uma nova estrada
Para as montanhas agora"

Ele fez certo em seguir seu grande sonho de vida antes que pudesse ser tarde demais? Ele foi egoísta ao partir nessa jornada e deixar sua família e seus amigos com a impotência de não poder ajuda-lo? O autor desenvolve bem ambas as duas partes da história. Vemos Mark e seu cachorro Beau, e a cada capítulo obtemos novas informaçoes sobre sua doença e pensamentos que nos levaram a  partir a escalar a montanha, e dificuldades desta jornada, assim como interessantes personagens para ajudar (ou atrapalhar) a jornada. E de outro temos o drama vivido por sua família e em particular sua grande amiga Jessie, que apesar de não ter muitas descriçoes físicas, consegue-se entender a grande ligação fraterna entre os dois. 

Esse desenvolvimento fica bem dividido no livro pelo modo no qual é formulado os capítulos. Os "capítulos principais" (um, dois, três) são narrados pelo próprio Mark e "capítulos intermédiarios" (um e meio, dois e meio, tres e meio) são ambientadas o que está as situações vívidas pela família de Mark e sua melhor amiga, Jessie. Esses capítulos intermediários muitas vezes contém dialogos ou flashbacks que nos fazem entender melhor sobre os motivos de Mark partir em sua jorrnada. Uma outra característica bacana sobre a contrução gráfica do livro é feita no início de cada capítulo. Temos a marcação da quilometragem faltante até Mark cumprir seu objetivo, e isso da uma idéia ao leitor da proximidade do objetivo final do protagonista.



"O mundo inteiro é uma tempestade, eu acho, e todos nós nos perdemos em algum momento. Vamos atrás de montanhas no meio das nuvens para que tudo pareça valer a pena, como se isso tivesse significado. E as vezes, nós a encontramos. E seguimos em frente"

Como a maioria das histórias do gênero, "A Mais Pura Verade" contém algumas indagações do personagem sobre a vida e algumas frases que nos fazem pensar sobre nossas próprias ações. A expressão "Isto é uma coisa que não entendo" aparece seis vezes na história. "Essa é a mais pura verdade" aparece quinze! Se você é daqueles que gosta de marcar citações em livros, este é um que talvez te faça marcar muitas.

Em suma, o livro possui poucas páginas, porém é uma leitura bem agradável daquelas nos quais é impossível chegar ao fim da leitura sem se emocionar ou vibrar com os personagens. Essa é a mais pura verdade.

"Pensei em toda a minha doença, em toda a minha raiva, em todo o meu medo. Tudo aquilo era só a escuridão, só a tempestade. E eu me perdi nelas. Mas sempre há o outro lado da tempestade. E as pessoas que levam você até lá.


Marcus Vinícius é maranhense por nascimento e capixaba por criação. Nos livros gosta de distopias, nos filmes gosta de ficção científica, nos esportes gosta de handebol e baseball, na comida gosta da japonesa e na música gosta de rock. É professor de matemática e espera o dia em que essa disciplina será uma paixão nacional.

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Já li A Mais Pura Verdade e o companheirismo, a amizade e lealdade presentes são incríveis. Essas afirmações que se repetem me deram a impressão de que se tiver meio desatento nas leituras você acaba acordando para percebem qual seria a indagação que vem antes.

    ResponderExcluir
  2. Olá Marcos, também li a obra e concordo em número, gênero e grau com você. Acredito que o livro veio para tocar as pessoas em vários pontos, como o fato de tentar entender o que uma pessoa com a "doença" do Mark levam a querer quando estão em um estágio avançado, como fazer as coisas que tinham vontade de fazer e não o faz por motivos maiores.

    A única coisa que esqueceu de falar é sobre o Beau, e a sua lealdade. Acredito que em algumas pessoas marcaram bastante.
    De qualquer forma adorei sua resenha, bastante gostosa de ler. E... Espero também que a matemática seja uma paixão nacional um dia. kk

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Caramba, não esperava que o livro fosse tão emocionante assim. Já passei por outras resenhas dele e não dei atenção, pois não imaginei que fosse tão bom. Quer dizer, eu ainda não li o livro, mas sua resenha me deixou bem convencida a querer ler. Ainda mais que companheirismo é uma das coisas que mais esta em falta ultimamente.

    ResponderExcluir
  4. Tive oportunidade de ler esse livro e achei fofo demais.
    Apaixonada por Beau, foi o personagem que mais gostei, porque afinal, Mark só conseguiu chegar onde chegou porque ele estava o tempo todo ao seu lado, dando força, protegendo e sendo amigo fiel.
    “Acredite na justiça, mas não a que emana dos demais e sim na tua própria.” (Código Samurai)
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© MEMÓRIAS LITERÁRIAS - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: SD DESIGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo