01/12/2014

Resenha | Ligeiramente Casados

Ligeiramente Casados
  • Autor: Mary Balogh
  • Editora: Arqueiro
  • Páginas: 288
À beira da morte, o capitão Percival Morris fez um último pedido a seu oficial superior: que ele levasse a notícia de seu falecimento a sua irmã e que a protegesse Custe o que custar!. Quando o honrado coronel lorde Aidan Bedwyn chega ao Solar Ringwood para cumprir sua promessa, encontra uma propriedade próspera, administrada por Eve, uma jovem generosa e independente que não quer a proteção de homem nenhum. Porém Aidan descobre que, por causa da morte prematura do irmão, Eve perderá sua fortuna e será despejada, junto com todas as pessoas que dependem dela... a menos que cumpra uma condição deixada no testamento do pai: casar-se antes do primeiro aniversário da morte dele o que acontecerá em quatro dias. Fiel à sua promessa, o lorde propõe um casamento de conveniência para que a jovem mantenha sua herança. Após a cerimônia, ela poderá voltar para sua vida no campo e ele, para sua carreira militar. Só que o duque de Bewcastle, irmão mais velho do coronel, descobre que Aidan se casou e exige que a nova Bedwyn seja devidamente apresentada à rainha. Então os poucos dias em que ficariam juntos se transformam em semanas, até que eles começam a imaginar como seria não estarem apenas ligeiramente casados.

Olás! Apesar de ser um gênero bem clichê, eu gosto muito de um bom romance de época. Ultimamente os que mais tem chamado a minha atenção são os da autora Julia Quinn que me conquistaram. Quando o livro Ligeiramente Casados da Mary Balogh foi publicado pela Editora Arqueiro por aqui, muita gente estava dizendo que ele era tão bom quanto os romances da Julia Quinn. Então é claro que eu precisava lê-lo para saber se todas essas comparações eram verdade.

Aidan Bedwyn é um homem de palavra. E quando um de seus soldados morre em combate lutando pela Inglaterra e o pede para fazer uma promessa de ir até sua irmã contar sobre seu falecimento e protegê-la é exatamente isso que ele o faz. Só que quando o rapaz encontra a jovem Eve acaba descobrindo que ela está prestes a perder sua casa e finanças a não ser que se case o quanto antes. E é exatamente isso que ele faz. Apenas um casamento de papel e aparências. Ou será que não?

Logo no início da resenha eu disse que o gênero Romance de Época é bem clichê, mas quando o autor é bom no que faz - apesar do já esperado desfecho - ele faz com que todo o decorrer do enredo seja uma pequena surpresa para o leitor. E foi isso que Mary Balogh fez comigo com Ligeiramente Casados. Eu esperava uma coisa e acabei recebendo outra um pouco diferente do que imaginei e gostei muito da proposta.

O romance oferecido pela narrativa não é logo de cara e avassalador, como tantos outros romances por aí. Gostei exatamente que a autora trabalhasse com uma realidade mais palpável. O casal protagonista Aidan e Eve não se conhecem. E só se casam pura e simplesmente porque a jovem está a beira da falência. Acredito que um romance precisa de muito amadurecimento para ser verdadeiro. Esse foi um dos pontos mais importantes para mim, o crescimento de ambos personagens para o surgimento do romance entre eles.

E falando neles, como posso deixá-los de fora na resenha? Eve é uma jovem que carrega o mundo nas costas. Isso porque ela é extremamente bondosa e ajuda a todos ao seu redor que precisam. E ela faz isso não por aparências, mas sim porque realmente a faz feliz. Ela é muito forte, apesar de parecer delicada em alguns momentos. É muito fácil simpatizar com ela. 

Já Aidan é um tanto diferente. Super fechado e na postura intrincada de militar, ele é difícil de se simpatizar, e posso falar? Mais uma vez a autora trouxe autenticidade. Ela até mesmo diz que ele não é bonito. Charmoso, pode até ser, mas ela acaba trazendo ainda mais elementos não tão fantasiosos quanto em algumas outras histórias. 

A narração é feita em terceira pessoa e vai se movimentando entre as visões dos protagonistas, o que me parece de praxe nesse gênero. Adorei mesmo me surpreender com mais uma autora assim. Agora posso dizer que não só a Julia Quinn está na minha lista recente de autoras desse gênero literário. Ele é extremamente recomendado para quem gosta de leituras do tipo e de surpresas boas. Muito rápido e fluído de se ler.

Vale lembrar que esse livro também é uma série em que cada volume terá foco em um irmão da família dos Bedwyn. Eu particularmente estou bem ansiosa para ler sobre os outros, principalmente sobre o irmão mais velho, que me pareceu muito carrancudo, orgulhoso e ainda mais fechado que Aidan. Mal posso esperar.

Comente com o Facebook:

6 comentários:

  1. Oi!
    Eu também sou fã de romances de época e achei Ligeiramente casados muito bom, gostei bastante de como a autora desenvolveu o romance e o Aidan não ser perfeito deixou a história ainda melhor! Não tem como não ficar curiosa sobre os próximos livros da série, mas acho que vou gostar mais do irmão mais novo do Aidan, não sei porque, mas toda aquela alegria dele me deixou desconfiada...
    Bjs
    sobrelivrosesonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Também gostei muito do livro e dos personagens. Só o fato da mocinha não ser cheia de mimimi me conquistou!
    Realmente o conde promete fortes emoções, agora é esperar para ler.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  3. Esse livro deve ser bom MESMO, pois só li elogios até agora!
    Vamos ver o quê nos reserva os próximos volumes, rs.

    ResponderExcluir
  4. Sabe? Adoro Julia Quinn tanto quanto você, inclusive estou lendo um perfeito Cavalheiro agora mesmo. Não tem como não gostar desse clichê que tem nos romances de época. E já ouvi (li) tantos comentários positivos sobre a obra que fiquei apaixonada. Esse é um livro que preciso ler bem rápido.

    Enfim, adorei sua resenha e fico feliz que Ligeiramente Casados consiga ser diferente mesmo sendo igual aos outros romances.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Já virou moda livros de época que contam a estória de uma família..
    Confesso que estou um pouco cansada de continuações, mas nos casos de livros assim é diferente. Por se tratar de contar a estória de um personagem diferente torna o livro mais atrativo pra mim.
    Eu já havia lido a resenha deste e gostei muito primeiramente por curtir romance de época e depois por adorar um clichê. Claro, que não curto qualquer tipo... tem que trazer algo que surpreenda no decorrer do livro e pelo que li na sua resenha é isso que acontece.
    Curti demais os protagonistas... Eve é uma guerreira e não tem nada de mocinha melindrosa. Aidan é como um príncipe *-* que veio para salvá-la...
    Quero ler este livro, com certeza!
    Bjks

    ResponderExcluir
  6. Gosto mais de histórias contemporâneas, em especial os romances.
    Apesar dos comentários positivos sobre o livro e a qualidade da escrita, ainda não criei nenhuma vontade de ler.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© MEMÓRIAS LITERÁRIAS - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: SD DESIGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo