12/05/2014

Resenha | Beta

Beta
  • Autor: Rachel Cohn
  • Editora: iD
  • Páginas: 288
  • Compre aqui: Saraiva (livro digital) | Submarino
Em um mundo construído com perfeição absoluta, a imperfeição é difícil de entender e impossível de esconder. Elysia é um clone, criada em laboratório, nascida como uma garota de dezesseis anos, um vaso vazio, sem experiência de vida para se basear. Ela é uma Beta, um modelo experimental de clone adolescente. Ela foi replicada a partir de outra adolescente, que morreu para Elysia ser criada. O propósito de Elysia é servir os habitantes de Demesne, uma ilha paradisíaca para as pessoas mais ricas do planeta. Tudo em Demesne é uma perfeição em bioengenharia. Até o ar induz à uma estranha euforia que somente os trabalhadores da ilha—clones sem alma como Elysia—são imunes a ele. Inicialmente, a nova vida de Elysia nessa ilha é idílica e mimada. Mas logo percebe que os humanos de Demesne, as mais privilegiadas pessoas do mundo, anseiam. E percebe que debaixo do exterior impecável, há uma corrente de descontentamento entre os clones. Ela sabe que não tem alma e não consegue sentir e se importar—então por que tudo as sensações estão turvando a mente de Elysia? Se alguém descobrir que Elysia não é o clone insensível que finge ser, ela sofrerá um terrível destino, doloroso demais para se imaginar. Quando a única chance de felicidade de Elysia é arrancada dela com uma crueldade de tirar o fôlego, as emoções que sempre teve, mas nunca entendeu, são desencadeadas. Quando a raiva, o terror, e o desejo, ameaçam dominá-la, Elysia deve encontrar a vontade de sobreviver.


Olás! Sempre que sai algum livro novo com uma pitada que seja de distopia, eu corro logo para saber do que se trata e ler o mais rápido possível. Foi assim que eu logo quis ler Beta, lançamento da Editora iD, escrito pela Rachel Cohn. De início eu não leio a sinopse, mas logo ao ler as primeiras páginas, senti um pouco de necessidade para entender o contexto. A ideia a primeira vista é bem bacana, mas achei que a autora deixou um pouco a desejar na trama.

Nesse livro nós conhecemos a Elysia, um clone criado a partir de uma garota de 16 anos que morreu, e que agora é uma serva dos habitantes de uma ilha chamada Demesne. Nessa ilha vivem somente os humanos com as melhores condições financeiras, que aproveitam o lugar mais propício para vida na Terra. Além é claro, dos clones criados para realizarem todas as tarefas da pequena cidade. Primeiramente, Elysia é exatamente o que um clone precisa ser: sem "alma", obediente a seus senhores. Mas depois de alguns acontecimentos, a jovem passa a perceber que pode ser diferente.

De uma forma geral, achei que a autora pecou demais em trazer as emoções (ou a falta delas) excessivas as páginas. A leitura ficou um pouco vazia e sem o que eu planejava encontrar no decorrer da história. Não sei se foi de forma proposital, até mesmo para mostrar realmente no que a Elysia estava se transformando, mas ficou faltando algo um pouco mais profundo. 

É claro que os temas abordados pela autora foram bem intencionados. O abuso com outros seres humanos (sejam eles de qualquer forma), drogas ou a frivolidade que as pessoas podem ter. Mas tudo isso foi perdido na mão de uma protagonista não tão boa. Elysia é em diversos momentos bem rasa e sem personalidade. Não é porque ela é um clone que ela necessariamente precisava ser tão desmotivante.

Apesar disso e do enredo que não me surpreendeu muito, eu gostei dos cenários e do final. Deu aquele pontinha de vontade de ler a continuação, mas somente se a personagem crescer muito no decorrer do próximo volume. Digo isso principalmente porque a narração é feita em primeira pessoa, sendo ela a carregar e a transmitir ao leitor todo e qualquer acontecimento. Espero que a autora trabalhe isso um pouco mais e quem sabe me surpreender. 

Comente com o Facebook:

5 comentários:

  1. Também gosto muito dos livros distópicos, é um gênero que tem me agradado muito. Este eu ainda não li, uma pena que não tenha sido tudo isso, tomara que a continuação melhore.
    Bj, Rose

    ResponderExcluir
  2. Assim como você, não posso ver uma distopia que saio correndo para ler e saber como foi trabalhado. kkk
    Mesmo com as críticas aqui citadas, ainda fiquei com vontade de ler. kkkk Sou fã do gênero. Espero que ele me agrade. Acho que a intenção da autora com relação a personagem principal, mesmo que seja chata, é perdoável.

    beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Aline!
    Eu já fiquei meio sem entender a história já pela sinopse, imagino lendo o livro! Eu também sou louca por distopia, mas ainda não havia ouvido falar sobre esse livro. A capa é muito linda e tal, mas não fiquei muito empolgada para ler... Acho que com tanto livro que eu tenho pra ler no momento, não posso me dar ao luxo de perder meu tempo com livros que não prometem muito, sabe?

    Bjs!
    http://nasquartasusamosrosa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Eu estava morrendo de curiosidade sobre esse livro, tanto que assim, que li sobre o seu lançamento já o adicionei a minha lista de desejados, mas confesso que fiquei meio receosa pois já li outros livros da autora e não consegui imagina-la escrevendo uma boa distopia, e pelo jeito eu estava certa. Mesmo assim quero dar uma chance à Beta e espero não me decepcionar.

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia esse livro ,mas adorei essa capa , eu tmb sou apaixonada por distopias ,curti bastante a sinopse ,mas depois da sua resenha fiquei em duvida.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© MEMÓRIAS LITERÁRIAS - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: SD DESIGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo