17/02/2014

Resenha | Princesa Mecânica

Princesa Mecânica
  • Autor: Cassandra Clare
  • Editora: Galera Record
  • Páginas: 430

Continuação de Príncipe mecânico, “Princesa Mecânica” é ambientado no universo dos Caçadores de sombras, também explorado na série Os Instrumentos mortais, que chega agora ao cinema. Neste volume, o mistério sobre Tessa Gray e o Magistrado continua. Mas enquanto luta para descobrir mais sobre o próprio passado, a moça se envolve cada vez mais num triângulo amoroso que pode trazer consequências nefastas para ela, seu noivo, seu verdadeiro amor e os habitantes do Submundo.


Se você ainda não leu os outros volumes da série, essa resenha pode conter spoilers para você!    

Olás! E chegou o dia. O dia em que eu precisaria escrever a resenha do último livro de uma das minhas trilogias favoritas de todos os tempos. Princesa Mecânica, escrito pela malvada Cassandra Clare e publicado pela Galera Record aqui no Brasil. Eu achei que a autora não seria mais capaz de fazer com que eu sofresse em mais um livro, como fez em Princípe Mecânico. Eu estava enganada, é claro.

Depois daquele final de cortar o coração de qualquer um, Tessa está noiva de Jem e prestes a se casar. Enquanto isso, Will convive com os seus sentimentos pela jovem guardados para não ferir seu melhor amigo. Além de tudo, o Magistrado parece estar pronto para colocar seu plano de destruir todos os caçadores de sombras em ação. Mas para isso, Tessa é chave fundamental para que tudo se concretize. No meio de muita ação e muitas cenas de tirar o fôlego, Princesa Mecânica já começa prometendo ser melhor que seu antecessor.

Eu sinceramente nem sei como escrever essa resenha. A única coisa que eu sei depois de ter finalizado o livro foi que a Cassandra Clare conseguiu fazer com que um trator passasse sobre meu coração e eu fiquei dias pensando sobre como foi a finalização da trilogia sem sequer conseguir encostar em qualquer outro livro. A não ser a vontade de começar a reler Anjo Mecânico, Princípe Mecânico e depois Princesa Mecânica de novo em um ciclo sem fim.

O que dizer sobre a escrita? Continua maravilhosa, até melhor do que nos outros livros, se é que isso é possível. A Cassandra Clare tem esse poder de se superar em cada livro novo que ela lança. É incrível. E os personagens? Crescem da mesma forma. Pelo menos em As Peças Infernais. Não existe um personagem, quer seja ele principal ou secundário, que não foi bem trabalhado ou que não amadureceu no decorrer da trama. Você se surpreende com todos, gosta de todos (ou a maioria deles, a que vale a pena).

E o que dizer sobre as cenas importantes? Em poucos livros eu me senti tão conectada, tão sentida pelos personagens. Em cada página em que acontecia uma cena muito impactante para a história, eu me colocava inconscientemente na pele da personagem. Aconteceu isso em toda a trilogia, mas em Princesa Mecânica os sentimentos ficam ainda mais a flor da pele, e é inevitável você sentir a dor, o sofrimento e tudo o que Tessa, Will e Jem estão sentindo.

Eu já sabia praticamente tudo o que iria acontecer na finalização, porque eu não consegui me aguentar após o término da leitura de Príncipe Mecânico, e já quis saber de todos os spoilers possíveis. Mas quer saber de uma coisa? Eu me senti da mesma forma de que se eu não soubesse de nada. É esse o poder do livro. Você se surpreende com coisas que você já sabia que iria acontecer. Por quê? Por que é tão malvada Cassandra Clare?

E eu posso dizer. Que final. Que história. Quantas emoções! É um turbilhão de sentimentos e de acontecimentos. E então, fim. É maravilhoso como tudo acabou exatamente ou muito melhor, do que eu esperava. Tudo em seu devido lugar. Ou não. E como a autora teve a capacidade de fazer algo inimaginável para muitas pessoas e deixar tudo tão sutil, tão bonito. É indescritível.

Eu vou sentir muita falta da convivência com Will, Tessa, Jem e todas as outras personagens que abrilhantaram essa trilogia. É claro que outros trabalhos da autora virão, algumas surpresas envolvendo até mesmo esses livros, mas nunca será a mesma coisa. O que me resta é agradecê-la e ao mesmo tempo ter vontade de bater nela por tudo o que me fez passar. Acho que nenhum livro esse ano irá tirar o posto de melhor leitura de 2014 de Princesa Mecânica. Isso porque só estamos em fevereiro. 

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Eu ainda não li essa saga, porém quero conhecer o mais rápido possível. Só li a sua resenha por cima, porque vi o bilhete chamando atenção sobre não ler pois tinha spoillers, e eu adoro surpresa. :D

    Mas PROMETO que assim que ler, eu venho aqui falar muito sobre o que eu achei desse livro. Mas pelo que eu vi, sua resenha foi bastante completa, e linda como sempre.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Eu nunca li nada da Cassandra, mas dizem que As Séries Infernais é bem melhor do que Os Instrumentos Mortais, ai fiquei meio indecisa se leio TMI ou não.. mas com certeza vou ler As Séries Infernais.

    ResponderExcluir
  3. Como resistir a vontade de ler esse livro depois de uma resenha dessas???? E o livro está guardadinho aqui em casa. Só preciso de tempo para ler, que em breve virá. Tenho que ler logo para podermos sofrer juntas. Meu coração foi destroçado em Príncipe Mecânico. Tenho até medo do que a Cassandra vai fazer com ele agora.

    ResponderExcluir
  4. Ainda não li nenhum livro dessa série mas estou querendo MUITO. =)
    Todos recomendam, elogiam.... e mal vejo a hora de ler.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© MEMÓRIAS LITERÁRIAS - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: SD DESIGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo