10/02/2014

Resenha | Dearly, Beloved

Dearly, Beloved
  • Autor: Lia Habel
  • Editora: iD
  • Páginas: 512

Nora Dearly e Bram Griswold apaixonaram-se, mesmo que isso parecesse algo impossível de acontecer entre uma garota cheia de vida, neovitoriana, de 17 anos e um soldado punk morto, que voltou a viver como zumbi. Como ele, o pai de Nora, Doutor Dearly, também se tornou um zumbi e dedica seus dias às pesquisas médicas – chegou a criar a vacina capaz de agir contra a Lazarus, a terrível doença que reanimava os mortos e os transformava em zumbis. Mas a notícia de que uma cepa diferente da Laz havia surgido deixou todos muito preocupados. Principalmente porque essa nova forma da doença era ainda mais assustadora, criando um tipo de zumbi insano e bastante violento. Estariam eles de volta à estaca zero? Haveria mais um Cerco? Os mortos seriam caçados novamente? Neste segundo volume da série, a insegurança e o medo voltam a dominar a cidade de Nova Londres e a ameaçar a convivência pacífica entre todos. E, uma pessoa em especial vai aproveitar esse clima de guerra e fará de tudo para destruir o amor entre Nora e Bram. Será que vai conseguir?



Olás! Sabe quando você quer ler um livro somente pela capa e tem a feliz surpresa da história ser maravilhosa? Foi isso que aconteceu comigo quando li Dearly, Departed, primeiro volume dá série. Quando soube do lançamento do segundo volume, eu mal pude esperar para saber o que a autora Lia Habel havia escrito. Hoje vou contar um pouquinho a vocês sobre a minha leitura de Dearly Beloved, segundo volume dessa série publicada pela Editora iD.

Em Dearly, Beloved, Nora e Bram ainda não descansam. Apesar da aparente calmaria, a ameaça da doença Lazarus que reanima os mortos e os transforma em zumbis, não deu trégua. Uma nova mutação da doença surge, causando mais revoltas entre a população, humanos ou zumbis. Além dessa ameaça, novos grupos de simpatizantes ou não começam a causar confusões nas redondezas. Parece que a paz não reinará tão cedo para os moradores de Nova Londres.

Como eu queria ter sido surpreendida em Dearly, Beloved assim como fui no primeiro livro! Mas não foi bem assim. Eu me senti um pouco enrolada pela autora, infelizmente. Meio que sofreu a "maldição do segundo livro", como muita gente diz por aí. Não pela escrita. Essa continua muito fluída e boa de ser lida. A autora tem um talento que não podemos negar. Mas o ponto fraco foi realmente o excesso de informação desnecessária.

Por exemplo, o foco narrativo que a autora propõe desde o primeiro livro é em primeira pessoa, sendo que em cada capítulo um personagem aparece discorrendo sobre seu ponto de vista. Isso de certa forma é muito bacana para que possamos entender um pouco mais de cada personagem e do meio em si. Porém, no segundo volume muitos personagens são inseridos para serem narradores personagem e eu fiquei um pouco perdida nas idas e vindas. 

Em contrapartida, graças a esse aumento de indivíduos, detalhes importantes são inseridos na história. Muitos desnecessários? Sim. Mas também muitos que fazem a história crescer. Personagens secundários no primeiro livro passam a ter uma atenção maior, além de terem atitudes bem diferentes do que eu esperava. Nora e Bram são as figurinhas que mais aparecem, é claro. Mesmo assim, senti falta de momentos entre eles que existiram no primeiro livro.

A diagramação da iD continuou muito linda com a capa e melhorou bastante na tradução e na diminuição do erros de digitação. Espero muito que a continuação da trama não demore a sair, pois gosto muito do que a série oferece. Os elementos oferecidos, steampunk, era vitoriana e zumbis juntos foram uma tacada maravilhosa da autora e ela não pode se perder com tanto potencial em mãos. Torço muito para que o próximo volume retorne com o espírito do primeiro livro.

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Fiquei muito feliz pela sua leitura e pela sua felicidade ao ler Dearly, Departed. E fico triste por Dearly, Beloved não tenha continuado da mesma maneira. Gostei da história, parece ser bem diferente.Sempre que falam em Romance entre Zumbi e Ser Humano , eu me lembro do filme Meu Namorado é um Zumbi, que era uma história bem engraçadinha. Mas esse tem aquele QUÊ a mais, que é a transformação... é bem diferente.

    Parabéns pela resenha
    beijos ♥
    http://pausaparaum-livro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. A capa é realmente linda, e eu não tinha ouvido falar desse livro, nem da série. Porém detesto zumbis.. Essa história parece ser diferente das convencionais. Espero ter oportunidade em breve de ler e tirar minhas próprias conclusões. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Não tinha ouvido falar desse livro ainda, porém amo livros que contenham zumbis, tenho certeza que iria adorar esse livro também. The Walking Dead é um dos meus favoritos!
    Beijos, Bianca.

    lendocomabianca.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Já tinha visto essa série em alguns lugares, mas não tinha me interessado.
    Não sei eu leria por hora, já que tenho tantas para ler... mas quem sabe mais para frente?
    Capa linda.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© MEMÓRIAS LITERÁRIAS - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: SD DESIGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo